quarta-feira, 5 de julho de 2017

Sou o Número Quatro - Recapturar o Passado!

Três Planetas, nove crianças...

Hoje trago-vos um presente do passado! É realmente fantástico como algumas obras nos fazer querer relê-las. A vítima desta vez foi Sou o Número Quatro, de Pittacus Lore, o primeiro livro da série Os Legados de Lorien.


"Pittacus Lore é um pseudónimo usado por James Frey e Jobie Hughes para escrever esta série. Pittacus Lore aparece no primeiro livro da série, Eu Sou o Número Quatro, como um ancião a quem foi confiada a história dos nove lorianos."

Daniel Jones parecia um rapaz normal. Vivia na Florida, onde tempo era sempre agradável. Encontrava-se uma festa, quando uma terceira cicatriz lhe aparece na perna, começando brilhar. Todos seus "amigos" ficam abismados e Daniel sabe o que tem a fazer.

Foge nadando e vai ter com Henri, o seu Cêpan, que já fez as malas para partirem. Têm como destino Paradise, Ohio, e produzem novas identidades. Agora, Daniel chama-se John Smith.


Acontece que John não é um rapaz normal. É um extraterrestre, um de nove que vieram para a Terra após destruição seu planeta, Lorien, por seres malvados, Mogadorianos, do planeta Mogadore. 

Cada um desses novos jovens tem consigo um Cêpan, um guardião que os ajuda a manterem-se escondidos e a protegerem-se contra quem os quer eliminar.

John é o número quatro, os primeiros três estão mortos, ele é o seguinte. Todos Lorianos na Terra têm, sobre eles, um encantamento: só podem ser mortos por ordem, assim, John sabe que é o próximo.

Ele sabe que pode ter de fugir de Paradise a qualquer momento mas não consegue resistir a apaixonar-se por Sarah Hart e a fazer de Sam Good, um excêntrico rapaz obcecado por extraterrestes, o seu melhor amigo.

Agora, John está dividido entre a sobrevivência e amor. Será capaz de fazer a escolha certa? 

Já é segunda vez que que leio este livro, mas é como se fosse a primeira. Encontrei vertentes que não tinha reparado antes, o que é sempre bom. Ainda mais se o livro for bom, o que é o caso.

A linguagem é simples e cativante, sempre do ponto de vista de John, o que nos permite compreender os sentimentos dessa personagem, desde a sua dor quase constante ao inevitável amor por Sarah. 

As descrições do espaço não são aborrecidas, mas são completas o suficiente para nos fazer perceber onde se encontram as personagens. Gostei da forma como as emoções se emparelham com o cenário. Quando a dúvida e o medo de se abatem sobre John, também o cenário parece escurecer e tornar-se mais sombrio. 

Por vezes, gostaria de ver um pouco mais de Sam e Henri, talvez por estarmos sempre na mente de John não tenhamos uma visão ampla dos que o rodeiam. Queria perceber o que os move, as razões para suas ações.

É incrível como o Pittacus Lore consegue criar não só um único mundo, mas três. Temos acesso às realidaDes de Mogadore, Lorien e da Terra. Esses dois planetas que não o nosso poderiam muito bem, com base nas suas descrições existir, o que é, sem dúvida, um ponto a favor da verosimilhança da obra.

Agora, tenho imensa vontade de saber o que acontece esses seis jovens. A história cativou-me de forma excecional, incentivando-me a reler a sua continuação: O Poder de Seis.

Sem comentários:

Enviar um comentário